Sobre Daniel Rodrigues

Mestre em Estudos Linguísticos pela Unesp de Rio Preto e bacharel em Letras com Habilitação de Tradutor pela mesma universidade. Especializou-se em Gestão da Educação a distância pela Universidade Federal de Juiz de Fora e em Gestão Empresarial pela FGV. É diretor-proprietário da CCLi. Antes de fundar a empresa, lecionou em escolas de línguas e universidades. Foi também presidente da Apliesp (Associação dos Professores de Língua Inglesa do Estado de São Paulo). Em 2012, tornou-se diretor cultural da ACIRP (Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto).

Global Entrepreneurship Congress

Global Entrepreneurship Congress 2013, Rio de Janeiro

Global Entrepreneurship Congress 2013, Rio de Janeiro

No mês passado, foi realizado no Rio de Janeiro o Global Entrepreneurship Congress organizado pela Semana Global de Empreendedorismo, pela Kauffman Foundation e pela Endeavor Brasil. Participar deste evento foi uma ótima oportunidade para ampliar a visão de empreendedor e também perceber como o contexto social em que estamos inseridos pode potencializar ou amarrar a realização empreendedora dos seres humanos.

Um dos principais objetivos deste evento é, principalmente, criar um ambiente de troca de ideias e abordagens para fortalecer o crescimento econômico dos países envolvidos por meio de políticas e iniciativas favoráveis aos empreendedores. Por isso, houve painéis bastante políticos cobrando formas de o setor público auxiliar, ou pelo menos não atrapalhar, o desenvolvimento de empreendedores locais.

O alto nível de internacionalização do evento com delegados de vários países de todos os continentes faz com que o nível do debate e as soluções propostas sejam ímpares, pois mesmo contrastando realidades distintas, percebe-se que o impacto do empreendedorismo em qualquer país é importantíssimo para o seu desenvolvimento.

Muito se falou do Vale do Silício como modelo a ser seguido para desenvolvimento de polos empreendedores, pois o grande segredo que propulsionou o crescimento das empresas inovadoras naquela região dos EUA foi a facilidade de realizar trocas com outros empreendedores, facilidade de acesso a opiniões e capital para investimento em novas ideias. A teia disponível na região favorece empreendedores. A solução hoje, porém, não é simplesmente enviar bolsistas para a região para que retornem aos seus países com uma visão mais aprofundada, como foi amplamente feito na década passada, pois, além de muitos não retornarem, os que o fazem acabam não encontrando o ecossistema adequado para o desenvolvimento de ideias empreendedoras e acabam sofrendo as mesmas restrições e dificuldades enfrentadas antes. A melhor solução, acredito, é buscar uma união entre o setor público e o privado, assim como o terceiro setor, para que juntos possam criar esse ecossistema propício ao desenvolvimento de novas empresas que permite que um país possa trazer mais oportunidades para seu povo e desenvolver sua economia.

Participar do evento foi uma excelente oportunidade para ampliar os horizontes ao conversar com empreendedores de várias regiões do mundo e também para constatar mais uma vez como nosso país ainda é lento em estimular o desenvolvimento de políticas que levem ao empreendedorismo. Que nós, empreendedores e sociedade civil que apoiam a causa, nos unamos para exigir que esse tema entre no debate político a fim de que sejam possíveis melhores condições de competição internacional.

Sempre é tempo para aprender uma nova língua

Imagem

No artigo desta edição, tentarei desconstruir um mito que existe com relação à aprendizagem de línguas e que está presente em discursos, como os do tipo: “Estou muito velho para aprender um idioma!”. Na verdade, não existe uma idade limite para se aprender uma nova língua. Embora as pesquisas indiquem que as crianças tendem a aprender um segundo idioma com mais facilidade por estarem ainda no processo de formação das áreas cognitivas do cérebro e do aparelho fonador, não existem pesquisas que indiquem a impossibilidade de se aprender uma nova língua na terceira idade, por exemplo. Muito pelo contrário, pois há várias pesquisas que focam exatamente estratégias de ensino e aprendizagem de línguas neste contexto.

Dois principais motivos levam os adultos a buscarem aprender um novo idioma: a necessidade profissional ou a realização de um hobby. Enquanto os que buscam pela primeira razão costumam ter uma forte dose de pressão durante o processo de ensino e aprendizagem, os que buscam pela segunda razão acabam se envolvendo mais e, por isso, muitas vezes costumam ter um desenvolvimento superior aos primeiros. Como sabemos na prática, o estresse limita nossa capacidade de concentração e memorização. Por isso, é importante planejar-se profissionalmente, com cerca de dois ou três anos antes de haver a necessidade real, para começar a estudar o idioma que poderá ser importante na sua carreira. Como atualmente saber inglês é quase mandatório, este planejamento recai, muitas vezes, sobre o terceiro idioma, que virá a ser o principal diferencial.

É importante frisar que, para a grande maioria das pessoas, aprender um novo idioma será sempre um desafio, independentemente da idade. Falar um outro idioma é uma atividade tão complexa que já há estudos sugerindo que falantes bilíngues com disposição genética para desenvolver a doença de Alzheimer acabam retardando o início da doença e tendo uma evolução mais branda do que os que falam apenas uma língua. Para enfrentar esse desafio, o adulto deve procurar um curso que atenda ao seu perfil, pois com certeza não será o mesmo curso oferecido a uma criança ou a um adolescente.

Nós, adultos, temos muitas vantagens ao aprender um novo idioma:

  • Possuímos um grande repertório de vida que nos possibilita fazer um leque maior de associações;
  • Já temos nossa habilidade comunicativa desenvolvida na língua materna;
  • Podemos discutir temas de nosso interesse, aumentando nossa motivação;
  • Conseguimos utilizar nossa habilidade de resolver problemas como aliada da aprendizagem;
  • Somos críticos durante o processo de aprendizagem;
  • Temos mais autonomia como aprendizes;
  • Apresentamos um repertório de estratégias de aprendizagem que podem ser aplicadas ao estudo de uma nova língua.

Portanto, deixe de lado essa história de estar velho demais para aprender um novo idioma, procure um curso que atenda às suas necessidades específicas, aproveite suas vantagens como um aprendiz adulto e divirta-se desenvolvendo uma habilidade que é tão importante em nossos dias de hoje! Fica a dica!

Estratégias Diretas de Aprendizagem: Estratégias de Memória

No post anterior, fiz uma breve introdução sobre as estratégias de aprendizagem de línguas estrangeiras, que podem ser divididas em estratégias diretas e indiretas. As estratégias diretas de aprendizagem podem ser divididas em 3 categorias. No post de hoje, detalharei melhor a primeira delas: as estratégias de memória.

As estratégias de memória são divididas em 4 grandes blocos:

  1. Criação de relações mentais
  2. Uso de imagens e sons
  3. Revisão
  4. Ação

Como podemos utilizar a criação de relações mentais para aprender uma língua? Uma das técnicas é a de agrupamento. Nossa memória é ajudada quando agrupamos coisas comuns que fazem sentido juntas, pois se torna mais fácil de lembrar desta maneira. Ao aprender a palavra subway, por exemplo, em vez de simplesmente traduzi-la para metrô, seria muito mais interessante agrupá-la às outras palavras que já conhece e que estão relacionadas a transportes, por exemplo (car, bus, train, etc.). Desta forma, será muito mais fácil para sua memória armazenar este novo conhecimento.

Outra técnica muito utilizada é a da associação. Muitos já devem ter percebido que quando conseguimos associar um nome a um rosto, por exemplo, quando conhecemos alguém, temos muito mais facilidade de lembrar novamente da pessoa do que quando não fazemos essa relação. As associações, geralmente, são feitas com o seu conhecimento já existente e são muito individuais. Você pode associar uma palavra ou uma frase nova a uma experiência que já teve que lhe remete ao que está aprendendo no momento. Usando o mesmo exemplo, ao aprender a palavra subway é possível associá-la com experiências que já teve com este meio de transporte. Assim, ao ouvir a palavra novamente, seu cérebro a decodificará pela lembrança da sua associação e não pela tradução da palavra. Dê asas a sua imaginação durante suas aulas e procure fazer o máximo de associações possíveis.

A contextualização também é outra técnica para criar relações mentais. É muito importante aprender as palavras dentro de um contexto, pois, como sabemos, elas podem adquirir significados diferentes dependendo do contexto em que são utilizadas. O mesmo exemplo também serve de ilustração, pois subway além de significar o meio de transporte também se refere a uma cadeia de fast food. Será o contexto que lhe dará a segurança de entender quando estão se referindo a um ou a outro. Em suas aulas, procure sempre observar o contexto e associar o conhecimento novo a ele.

Além da criação de relações mentais, usar imagens e sons para memorizar é uma estratégia muito importante. Em vez de traduzir uma palavra que acabou de aprender, por exemplo, você pode desenhar o que ela significa, por exemplo. Ao voltar a estudar aquela lição, você conseguirá associar a palavra à imagem do seu próprio desenho e lembrar o seu significado sem precisar pensar na sua língua materna. O mesmo pode ser feito com os sons, pois algumas pronúncias nos fazem lembrar do sentido das palavras e fazer essas associações sonoras ajudará a conseguir lembrar mais facilmente.

Como todos que estudam línguas sabem, não adianta se esforçar o máximo durante uma aula apenas, empregando todas as estratégias possíveis. Para memorizarmos, é preciso revisar. A revisão estruturada nos fará entrar em contato novamente com o conteúdo aprendido e reforçará seu sentido em nossa memória. É essa revisão constante que ajudará o vocabulário inicialmente passivo a se tornar ativo para uso na conversação. Quanto mais se dedicar a revisar o conteúdo aprendido, mais facilidade terá para se lembrar das palavras durante a conversação.

Por fim, podemos também empregar ação durante a aula para reforçar nossa memória. Um exemplo que acredito ser muito comum a todos é quando o professor exige que se peça, em inglês, licença para ir ao banheiro, quando for necessário. Como toda vez em que precisar realizar esta ação, terá que fazer na língua-alvo, os alunos acabam memorizando a expressão mesmo sem conhecer toda a gramática da frase. Nestes casos, em vez de se preocuparem tanto em “formar a frase gramaticalmente correta” como costumam fazer nas atividades de conversação, acabam se lembrando da frase toda sem problemas porque está diretamente associada a uma ação. Procure, então, fazer uso de respostas físicas, ou mesmo emocionais, durante suas aulas para potencializar seu processo de memorização.

Espero ter conseguido esclarecer um pouco sobre como podem usar as estratégias de memorização ao aprender idiomas. Caso tenha dúvidas ou queira explicações mais aprofundadas, fique à vontade para me escrever. No próximo post, abordarei as estratégias cognitivas.

 

Estratégias de Aprendizagem de Vocabulário: Introdução

No post anterior, tentei explicar um pouco sobre a diferença entre vocabulário ativo e passivo para que você pudesse entender um pouco sobre o processo de aprender vocabulário, que não é simplesmente automático, mas evolui à medida que se passa a ter contato com a língua e com as palavras que se está estudando.

Nada melhor, portanto, do que entender um pouco sobre as estratégias de aprendizagem e como elas podem auxiliá-lo no estudo do vocabulário, pois é inegável que as diferenças de uso de tais estratégias pelos alunos influenciam diretamente a sua aprendizagem. Da mesma forma que o professor pode auxiliar a aprendizagem, adotando estratégias de ensino adequadas aos seus objetivos, os alunos também podem otimizá-la, dependendo do uso que fazem de suas próprias estratégias.

Mas o que são “estratégias de aprendizagem”? A definição de que mais gosto é a utilizada pela linguista americana Rebecca Oxford que define estratégias de aprendizagem como “ações específicas realizadas pelo aprendiz para fazer sua aprendizagem mais fácil, mais rápida, mais agradável, mais auto-direcionada, mais efetiva e mais transferível para novas situações”.

Oxford divide as estratégias de aprendizagem em dois grandes grupos: as diretas e as indiretas. As estratégias diretas são aquelas, como o próprio nome diz, diretamente relacionadas ao processo de aprendizagem em si e são divididas em 3 categorias: estratégias de memória, estratégias cognitivas e estratégias de compensação. Já as estratégias indiretas são aquelas que auxiliam no processo de aprendizagem, mas que não estão circunscritas apenas ao processo de aprendizagem, envolvendo: estratégias metacognitivas, estratégias afetivas e estratégias sociais.

Tanto como consultor de língua inglesa, quanto como pesquisador em Linguística Aplicada, verifico que o desconhecimento das estratégias de aprendizagem por parte dos alunos faz com que eles não consigam empregar de maneira consciente e autônoma as estratégias disponíveis durante o seu estudo. Isso faz com que muitos tenham dificuldade de aprendizagem por se limitarem ao uso de uma única estratégia que, na maioria das vezes, é a tradução das palavras da língua estrangeira para o português.

Embora essa estratégia de tradução seja importante e possa ser utilizada, ela se torna um fator limitante da aprendizagem quando ela se torna a única estratégia, pois, em vez de ser empregada de maneira verdadeiramente estratégica quando traduzir a palavra seria realmente a melhor estratégia para aquele tipo de vocabulário, ela acaba sendo utilizada irrestritamente e faz com que o aluno só consiga reconhecer a língua estrangeiro pela sua própria língua. Todos que já estudaram uma língua e ficaram apenas traduzindo para conseguir aprender sabem como isso é realmente limitante, pois não ativa todos os recursos de aprendizagem que temos.

Com esta introdução, espero que tenha conseguido explicar um pouco sobre o que são essas estratégias de aprendizagem e de reforçar como podem ser importantes para a aprendizagem de línguas e, consequentemente, do vocabulário também. A seguir, passarei a detalhar cada uma das estratégias diretas e indiretas e a dar algumas dicas práticas para os estudantes utilizá-las em sala de aula! Acompanhe o próximo post!

Estudando vocabulário: receptivo vs. produtivo

Como minha pesquisa de mestrado abordou a questão do vocabulário na produção oral dos alunos de língua inglesa e constatei que um dos motivos pelos quais os alunos acabam tendo muita dificuldade na conversação é a falta de um vocabulário produtivo suficiente para sua interação, decidi dedicar alguns posts para ajudar os leitores a conhecerem um pouquinho a respeito dos estudos sobre vocabulário para que possam entender melhor seu processo de aprendizagem.

A distinção entre vocabulário receptivo e produtivo (ou passivo e ativo) é uma das primeiras diferenciações feitas pelas pesquisas sobre ensino e avaliação de vocabulário. O uso do vocabulário receptivo envolve o reconhecimento da forma de uma palavra ao lê-la ou ouvi-la, e a recuperação de seu significado; enquanto que o uso do vocabulário produtivo pressupõe querer expressar um significado em particular por meio da escrita ou da fala, a recuperação e produção da forma escrita ou falada apropriada da palavra.

Embora útil do ponto de vista prático para diferenciarmos nossas estratégias para estudar o vocabulário, muitos pesquisadores, assim como eu, defendem que essa dicotomia não está bem definida. Melka Teichroew, um grade pesquisador da área, sugere que a distância que separa a recepção da produção poderia ser dividida em vários estágios, começando pela imitação ou reprodução sem assimilação, passando pela compreensão ou reprodução com assimilação e terminando com a produção. Esses estágios não são restritos ou exaustivos, ou seja, pode haver outros estágios intermediários entre eles. Para ele, essa imagem de numerosos estágios interrompendo a linha de produção e recepção sugere uma nova maneira de ver a distância entre produção e recepção.

Nesta mesma linha, Blachowicz e Fisher utilizam uma metáfora interessante e comparam a aprendizagem de vocabulário a um dimmer de luz. Inicialmente o aluno desconhece a palavra (escuridão) e, aos poucos, vai intensificando seus conhecimentos sobre ela, até chegar o ponto em que ele a domina completamente (claridade).

Esses dois pesquisadores nos mostram a complexidade do processo de memorização de vocabulário para a produção oral. Enquanto aluno, tendo consciência disso, é possível ver o seu processo de aprendizagem de vocabulário por uma perspectiva mais ampla, não se desmotivando imediatamente ao não conseguir usar em um diálogo uma palavra que “conheceu” na aula anterior. Muito pelo contrário, essa conscientização deveria lhe dar mais motivação para estudar regularmente o vocabulário aprendido para que possa fazer com que haja a evolução nesses estágios.

Mesmo entendendo a aquisição do vocabulário como um processo contínuo do receptivo ao produtivo, a produção continua existindo como estágio final, sendo, portanto, o mais complexo nível de conhecimento de uma palavra. Você mesmo já deve ter percebido que temos muito mais dificuldade no momento da produção do texto (seja ele oral ou escrito) do que no momento que devemos apenas compreender um texto (seja lendo-o ou ouvindo-o). Da mesma forma que isso acontece na língua materna, também percebemos sua ocorrência na língua estrangeira. É por isso que geralmente nosso vocabulário receptivo em qualquer língua é muito maior do que o nosso vocabulário produtivo, ou seja, entendemos muito mais palavras do que as que usamos para nos expressar no nosso dia a dia.

Lembre-se de que é necessário que haja bastante empenho e contato com a língua para que seu vocabulário caminhe nesse continuum do conhecimento até chegar no estágio produtivo, que será o estágio em que conseguirá usar as palavras na conversação. Além disso, a abordagem adotada pelo seu professor também pode favorecer o desenvolvimento do seu vocabulário produtivo, uma vez que ele pode optar pela utilização de estratégias que tenham como foco a produção, e não apenas a recepção, como é mais comum.

Portanto, fique atento às estratégias que tem utilizado para estudar vocabulário para ver se elas realmente são focadas na produção (falar ou escrever) ou apenas na recepção (ouvir ou ler). Isso fará a diferença no seu resultado final. Em um próximo post, abordarei a questão das estratégias de aprendizagem de vocabulário.

Brasil cai no ranking de proficiência em língua inglesa

Na semana passada, foram divulgados os dados de 2012 do EPI (English Proficiency Index), que é um relatório que busca estabelecer um ranking internacional sobre o nível de proficiência em língua inglesa da população de 54 países, com base numa amostra de mais de 2 milhões de pessoas. O EPI possui 5 classificações de proficiência que variam de “proficiência muita alta” a “proficiência muito baixa”, passando por proficiência “alta”, “moderada” e “baixa”.

É muito triste ver o Brasil ocupando apenas a 46º posição neste ranking, que é realizado pela maior empresa de educação de línguas estrangeiras do mundo, a EF Education First (para mais detalhes sobre o ranking, acesse o site da própria EF (http://www.ef.com.br/epi/) ou leia a reportagem da Folha de São Paulo de ontem (http://migre.me/bot6y)).

Por conta desta classificação tão ruim, a repórter Elaine Quinália do Metro Jornal do Rio de Janeiro entrou em contato comigo para realizar uma entrevista. Aproveito para transcrevê-la abaixo, pois problematiza a questão de alguns dos motivos que levam o Brasil a ter uma classificação tão ruim neste tipo de ranking.

Como professor, você acredita que a metodologia de ensino utilizada pelas escolas no Brasil está ultrapassada?

Infelizmente, na maioria dos casos sim, embora haja grandes e boas exceções. O ensino regular fundamental e médio possui uma metodologia muito estrutural para o ensino de línguas que acaba afastando o aluno e fazendo com que seu interesse seja reduzido. Muitos brasileiros acham inglês difícil sem nunca terem estudado de verdade, mas porque nas aulas da escola tinham dificuldade. No entanto, a dificuldade ocorria justamente em função da metodologia, mas isso nunca é levantado. Há grandes colégios regulares com metodologias mais modernas e foco no uso da língua que conseguem fazer com que seus alunos se tornem fluentes ao longo das séries do fundamental e do médio, ou seja, possível é, mas é preciso reformular as escolas e adequar os métodos. E, sobretudo, preparar os professores para essa nova realidade de ensino de línguas.

Se sim, o que falta para melhorar?

Acho que já acabei abordando essa questão na resposta acima, mas volto a focar na questão do desenvolvimento do professor e na modernização da metodologia de ensino. O aluno hoje tem contato com o mundo em sua casa a partir do seu computador ou em qualquer lugar no qual esteja com seu smartphone. Basta uma conexão para ter contatos com qualquer língua do mundo. Isso é muito recente e não houve uma preocupação pedagógica com esse fenômeno. Mas uma aula para ser interessante para o aluno precisará enfrentar essa realidade e desenvolver suas habilidades e competências para lidar com esse cenário atual.

Na sua opinião as tecnologias (mídias sociais e internet) podem ajudar no aprendizado de um idioma? De que maneira?

Muito, pois é necessário usar a língua. Quanto mais contato temos com o idioma que estamos estudando, mais memorizamos e mais fluentes ficamos. As mídias sociais proporcionam uma interação real com amigos de qualquer parte do mundo. Criar esse vínculo torna a aprendizagem emotiva, pois constroem-se elos com outras pessoas. Isso facilita a motivação e a superação dos obstáculos do processo de aprendizagem. Além disso, a Internet permite que cada aluno possa ler, por exemplo, sobre o assunto de que mais gosta na língua em que estiver estudando. Não é mais necessário ater-se apenas ao que o professor pede para ler, mas é possível personalizar essas escolhas.

E você acha que as escolas estão aproveitando essas mídias da maneira correta?

Muito pouco, embora haja escolas que já tenham incluído, por exemplo, aulas em laboratórios de informática juntamente com a aula de línguas como forma de aproximar esses recursos da realidade do aluno, mas o problema é que, na maioria das vezes, muda-se apenas o cenário e não a prática. Existe uma área de pesquisa em Linguística Aplicada que foca exatamente o processo de ensino e aprendizagem de línguas por meio de novas tecnologias com resultados muito práticos que pode ser incorporado por qualquer escola que tenha interesse de sair do comodismo e aperfeiçoar sua metodologia. Agora é importante ressaltar que não basta apenas levar o iPad e a Lousa Digital para a sala de aula e não transformar também a realidade do professor que será o responsável pelo processo, pois a qualidade desta aula dependerá das habilidades deste professor em atualizar sua prática incorporando os recursos disponíveis a ela e gerando mais oportunidades de interações autênticas.

Entendendo melhor o que é método, metodologia e abordagem

Todo aluno de línguas já deve ter ouvido falar nestes três termos bastante utilizados nas pesquisas em Linguística Aplicada: método, metodologia e abordagem. Como um dos meus objetivos com o blog é tentar aproximar o aluno leigo das discussões teóricas e das pesquisas sobre ensino e aprendizagem de línguas, para que ele possa aproveitar essas informações no aprimoramento do seu processo de aprendizagem e também para que esteja mais bem preparado ao procurar um curso de línguas, tentarei explicar brevemente esses três termos.

Sei que o leitor deve estar achando três termos confusos, mas saiba que, mesmo nos textos teóricos, os termos método, metodologia e abordagem têm se mostrado uma confusão lexicográfica. Há vários autores que os utilizam com significados diferentes, e isso faz com que a utilização de um termo pelo outro ocorra com frequência no mercado de idiomas. Os três principais autores que utilizarei para explicar os conceitos são Anthony, Richards & Rogers e Brown.

Anthony define abordagem como sendo um conjunto de pressuposições relacionadas à natureza da linguagem, da aprendizagem e do ensino; e método como sendo um plano geral para apresentação sistemática da língua baseada em uma abordagem.

Já Richards & Rodgers reformulam o conceito de método proposto por Anthony chamando-o de abordagem. O que era método passa, portanto, a ser chamado de abordagem e método passa a designar um processo superordenado que engloba a abordagem, o desenho e o procedimento. Para eles, método é um termo abrangente que se refere à especificação e inter-relação da teoria e da prática.

Brown salienta que na literatura esses termos são utilizados, na maioria dos casos, com uma conotação que se aproxima mais das definições originais propostas por Anthony, sofrendo apenas alguns acréscimos importantes. Para efeito prático, as definições de Brown são as que tenho utilizado no meu trabalho como consultor de línguas. Assim, o termo metodologia é definido como o estudo das práticas pedagógicas em geral, incluindo questões teóricas e pesquisas relacionadas a essa prática. Abordagem é o conjunto de posições e crenças teóricas sobre a natureza da linguagem e da aprendizagem de línguas, e da aplicabilidade de ambas a contextos pedagógicos. Método é um conjunto generalizado de especificações de sala de aula para atingir objetivos linguísticos determinados, englobando, principalmente, os papéis e o comportamento do professor e do aluno.

Gosto muito de ressaltar na definição de método o que destaquei em itálico acima. Embora o mercado de idiomas em geral reduza o método ao livro didático, percebemos, na prática, que em uma aula de línguas, que é um contexto de interação social, o comportamento do professor e do aluno deve ser o grande foco de um excelente método de ensino.